Boneca de Pano


Nada faz muito sentido pra mim. Nem a vida, nem a música, nem o amor. Cresci feito uma boneca de pano: aos poucos vou incluindo uma parte aqui e ali, a fim de me sentir pronta, me sentir completa. Quanto mais tentava, parece que mais perdia. Ignorei as pedras no caminho e me senti, e continuei vazia. Pude sentir o começo da importância do sentimentalismo, da música na minha vida quando, obcecada por aprender tive que ensinar: ensinar-me a me virar. Me ralei, me cortei, me perdi, mas até agora não me achei. Viver tem um sentido, mas quem irá entender? A música move o universo, gira o nosso mundo quando compreendida ou simplesmente sentida. E ela traz sentimentos. Queria eu crescer como humana, aprender com os erros, não como uma boneca, que absorve tudo mas que continua vazia. Boneca tem coração? Deve ter, afinal pulsa loucamente agora, ao mesmo tempo em que, quieto, me fez perder a noção da hora... Como se estivesse esquecida num canto, a boneca chora, mas ela sabe que um dia chega sua vez, ela vai crescer, vai se sentir humana, vai amar e vai querer que o tempo pare. Ou melhor, pode ser que lhe baste o tempo da eternidade.*


*texto de autoria própria.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua opinião é muito importante! Comente :}