O que são os sonhos?


Hoje não falaremos dos objetivos que buscamos realizar, mas sim, das "imagens", daquele filme que passa na nossa cabeça enquanto dormimos. Por que isso acontece? Por que sonhamos bobagens, coisas absurdas, irreais?


"O sonho é a estrada real que conduz ao inconsciente." (Sigmund Freud)


Vamos começar a entender os sonhos de acordo com as ideias de Sigmund Freud:
Em 1900, Freud publica o livro: "A Interpretação dos Sonhos*", polêmico, onde o autor deu um caráter científico à matéria. Freud aproveita o que já havia sido publicado anteriormente e faz investidas completamente novas, definindo o conteúdo do sonho, geralmente como a “realização de um desejo”. Para o pai da psicanálise, no enredo onírico há o sentido manifesto (a fachada) e o sentido latente (o significado), este último realmente importante. A fachada seria um despiste do superego (o censor da psique, que escolhe o que se torna consciente ou não dos conteúdos inconscientes), enquanto o sentido latente, por meio da interpretação simbólica, revelaria o desejo do sonhador por trás dos aparentes absurdos da narrativa. (Fonte: Wikipédia)

A primeira ideia de Freud confirmada pela ciência é a de que os sonhos seriam restos do dia. Ou seja: algo que acontece com você de dia reverbera durante os sonhos. A comprovação científica disso foi feita em 1989 por Constantine Pavlides e Jonathan Winson na Universidade Rockefeller. Ao observar cérebros de ratos, eles descobriram que os neurônios mais ativados durante o dia continuavam a ser ativados durante a noite. Do mesmo modo, os neurônios pouco ativados durante o dia tampouco eram durante a noite. O que isso significa? “Significa, por exemplo, que, se uma pessoa teve hoje uma experiência marcante, a chance de essa experiência entrar em seu sonho é muito grande”, diz Sidarta Ribeiro, diretor de pesquisas do Instituto Internacional de Neurociências de Natal Edmond e Lily Safra (IINN–ELS). “Se ela foi atacada por um tubarão, é provável que sonhe com tubarão. Se foi para a guerra do Iraque, nos próximos anos vai sonhar com guerra. Isso é o resto diurno levado às últimas conseqüências.” Mas, como em nossa vida moderna ninguém tem experiências extremas todos os dias, os sonhos acabariam sendo uma mistura simbólica de um monte de coisas, como Freud havia previsto. Você pode sonhar hoje com tubarão, amanhã com jacaré, depois com afogamento, simbolizando todos eles uma mesma experiência. (Fonte: http://super.abril.com.br/ciencia/sonhamos-447007.shtml)


Numa visão espírita, somente nosso corpo físico descansa. Enquanto isso, nosso espírito se desliga do corpo, voltando ao plano espiritual, onde participaria de diversas atividades. Quando acordamos, o espírito volta ao seu invólucro carnal trazendo consigo as lembranças e experiências vividas na outra dimensão. Isso seria o que chamamos de sonhos.

"Dentro de cada um de nós há um outro que não conhecemos. Ele fala conosco por meio dos sonhos." (Carl Jung)

Numa abordagem psicológica, os sonhos são cargas emocionais armazenadas no inconsciente, que projetam imagens e sons, e de acordo com Freud como sabemos que os objetos nos sonhos são derivados de cargas emocionais, podemos através deles chegar a raiz ou seja as emoções que geraram essa imagem ou som. Sendo estudados corretamente pode-se descrever, ou melhor, conhecer o momento psicológico do indivíduo. Fazendo uma analogia, poderíamos pensar numa espécie de "fotografia" do inconsciente naquele momento. Por isso, o sonho sempre demonstra aspectos da vida emocional. Nos sonhos sua linguagem são o que Freud denomina símbolos. 
Para entender seus variados conteúdos, temos que reconhecer o que os símbolos representam nesse sonho. semelhante ao que foi estudado por Stanislavski, a simbologia dos sonhos não só está dada pelo contato que o criador do sonho teve com o objeto mas também com o caráter, ou seja, a forma que ele lida relaciona sentimentalmente esse objeto a coisas de sua vida, um exemplo prático o mar pode apresentar distintas simbologias(que são importantes para a interpretação dos sonhos se trata de descobrir a raiz) variando de pessoa a pessoa(inclusive a época) para alguns o mar pode significar destruição (o mar destruindo estruturas deixadas na praia) mas para outros invasão (a água avançando e invadindo território) de acordo com Freud o que a pessoa sente quanto a esse objeto ou essa situação é fundamental para a interpretação de sonho."Os sonhos são a estrada real para o conhecimento da mente". Portanto as terapias psicanalíticas usam interpretação dos sonhos como um recurso para "elaborar". Carl Gustav Jung passou a se dedicar profundamente aos meios pelos quais se expressa o inconsciente. Em sua teoria, enquanto o inconsciente pessoal consiste fundamentalmente de material reprimido e de complexos, o inconsciente coletivo é composto fundamentalmente de uma tendência para sensibilizar-se com certas imagens, ou melhor, símbolos que constelam sentimentos profundos de apelo universal, os arquétipos. (Fonte: Wikipédia)

Ou seja, seus sonhos tem relação com você, com suas memórias e seu subconsciente. Tem relação aos seus desejos, seus medos, suas angustias, enfim, todos os seus sentimentos e emoções. Não se engane ao procurar significado de sonhos na internet, nas revistas ou nas cartomantes. Só você, conhecendo sua história e você mesmo, pode interpretá-lo. Caso tenha muitos pesadelos, eles podem estar relacionados aos seus problemas. Para melhores orientações, procure um psicólogo.

No entanto, temos que concordar com uma coisa que já dizia Shakespeare pela boca de Hamlet: "Há muito mais sob o céu e sobre a Terra do que nossa vã filosofia imagina".


*A Interpretação dos sonhos, de Sigmund Freud, trazia ideias opostas as ideias bíblicas (onde os sonhos eram fenômenos sobrenaturais) por isso foi tão polêmico.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua opinião é muito importante! Comente :}